Com o aumento constante no preço do combustível, calcular o consumo do veículo tem se tornado uma prática cada vez mais necessária. Muitos motoristas com o uso frequente do veículo acabam se deparando com o consumo excessivo de combustível e não sabem o porquê isso ocorre.

Atualmente, o preço médio da gasolina em nosso país é de R$ 4,34 o litro, ou seja, um valor alto principalmente para quem utiliza seu veículo para trabalhar diariamente. É bastante comum um carro consumir mais ou menos combustível que outro da mesma marca e modelo. Isso acontece, por conta de alguns hábitos do condutor e por conta de manutenções que não estão sendo realizadas corretamente.

Muitos motoristas, até mesmo não sabem como identificar quando esse consumo está exacerbado, principalmente se o uso do veículo não é constante. Antes de apontar quais são os motivos que levam o alto consumo, vamos lhe ensinar como calcular o consumo de combustível do seu veículo.

Conheça o consumo do seu veículo e elimine o consumo excessivo de combustível

Antes de saber quais são os motivos que estão levando ao alto consumo e quais medidas devem ser tomadas, é preciso saber, de fato, se o seu veículo está consumindo a mais do que o normal.

Para isso, é necessário contar com o controle manual, evite o uso de computadores de bordo. Primeiro, complete o tanque de combustível, até o automático, e anote a quantidade abastecida. Após isso, zere o hodômetro parcial e volte a dirigir normalmente até esvaziar o tanque e completar novamente, recomendamos que seja no mesmo posto e no mesmo bico de abastecimento anterior.

Após esses passos, faça o cálculo dividindo a quilometragem que você rodou pela quantidade de litros de combustível que foi colocada no tanque nesse reabastecimento. Se esse número for baixo, é sinal que o consumo de combustível está alto, ou seja, a quantidade rodada é baixa em relação à quantidade de combustível abastecida.

A maioria dos modelos mais modernos de veículos já conta com computadores de bordo capazes de informar o consumo médio e até o instantâneo do combustível. É possível se basear também nesses valores.

Dica: Evite usar os cálculos dos primeiros 1.000 km rodados do veículo, o motor ainda está em adaptação.

Mas, afinal, o que provoca o alto consumo? Veja a seguir, as principais causas desse problema que podem ser evitadas com simples atitudes:

Calibragem dos pneus

falta de revisão e manutenção pode ser muito prejudicial para diversas partes do veículo, inclusive, para o consumo de combustível. A falta de calibragem correta dos pneus é um dos agravantes para esse caso. Isso, porque ela aumenta o consumo de combustível, além de favorecer o risco de explosão e acidentes na pista.

O ideal é manter o veículo na calibragem recomendada pela fábrica, pois é a medida que equilibra aderência e consumo do mesmo e evita problemas como esse.

Filtro de combustível

Esse é um item que poucos condutores se preocupam na hora de revisar o veículo. O filtro de combustível precisa ser trocado recorrentemente. Se isso não for feito, ele deixa de reter micropartículas de sujeira que chegam ao motor e dificultam a queima, fazendo o carro consumir mais.

Alinhamento

Assim como o maior atrito dos pneus causa um esforço que faz o consumo de combustível aumentar, o desalinhamento das rodas também pode causar o mesmo problema. A partir do momento em que as todas estão desalinhadas, as mesmas acabam exercendo um atrito muito maior com o solo, o que exige mais do motor e consome mais combustível em decorrência.

Velas de ignição

Esses itens são muito importantes, pois são responsáveis por gerar uma faísca dentro da câmara de combustão para dar início à queima da mistura ar/combustível.

Assim como outros itens tão importantes, as velas têm tempo útil de vida e precisam ser trocadas quando já estão velhas, a fim de evitar o surgimento de problemas no motor e, inclusive no consumo excessivo de combustível.

Isso, porque quando a vela está velha, acaba por provocar uma queima irregular na câmara de combustão. Isso acaba influenciando diretamente no aumento do combustível injetado.

Direção

Aquela comparação que gera muitas dúvidas, veículos de mesma marca e ano, mas com consumos de combustível diferentes, também pode ser explicada pelos hábitos de direção do condutor do veículo.

Isso se dá, porque quanto mais você “pisa”, ou seja, mais acelera, mais o carro consome combustível. Apesar disso, mesmo os que dirigem em velocidade mais baixa também podem ter hábitos que provoquem o problema.

Veja alguns dos hábitos errados que influenciam no consumo:

• Alongar marchas: Isso faz o giro do motor subir muito e, com ele, o consumo;

• Arrancadas: Arrancar a saída do carro com a aceleração alta;

• Andar nas marchas erradas: Cada velocidade “pede” uma marcha. Forçar o motor com a marcha errada aumenta o esforço e o consumo. Exemplo: um carro a 40 km/h não pode estar em 5ª marcha e um a 80km/h não pode estar em 2ª marcha;

• Andar em ponto morto (banguela): esse é um hábito comum em descidas. Deixar o carro engatado na descida, gasta menos combustível do que se ele estiver em ponto morto. Isso, porque a injeção eletrônica identifica que não é preciso aceleração e corta o combustível.

• Acelerar nas mudanças de marcha: Não acelere entre as mudanças de marchas, quando estiver com o pé na embreagem.

Ar-condicionado

O uso constante e intenso do ar-condicionado pode gerar um consumo excessivo de combustível, sempre que for acionado. O ar-condicionado ligado aumenta, em média, 20% o consumo do veículo.

Por isso, o ideal é ligá-lo somente em trajetos mais longos, pois ele precisa de um tempo para realmente funcionar. Em viagens curtas, ele não se faz tão eficaz e só acaba consumindo combustível desnecessariamente.

Qualidade do combustível

Muito se ouve falar de postos com combustível adulterado, ou seja, com a adição de outros componentes, como água, por exemplo, que acabam por prejudicar o funcionamento do veículo. Além disso, a gasolina adulterada tem baixa octanagem, o que gera queimas rápidas, resultando em consumo anormal.

Para evitar o consumo excessivo de combustível, abasteça sempre em um único posto confiável e com autorização da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e dê preferência um que você tenha um fácil acesso ao proprietário. Não deixe de testar e verificar qual o tipo de combustível mais recomendado, se é o combustível com mais octanas, aditivado ou não.

Gostou deste artigo? Leia sobre combustíveis do futuro e sobre o clube comb-out em nosso blog e assine nossa newsletter, para receber nosso conteúdos em primeira mão.

Escreva um comentário